Guerra ao Terror e o Oscar

Sunday, March 14, 2010 Mandy


Meu tempo anda bem corrido e por isso não tive tempo de assistir ao Oscar. Como ainda estou assistindo alguns filmes não fiz uma postagem mais apropriada. Hoje venho discutir um pouco sobre Guerra ao Terror. Vamos lá.
Gênero: Drama, Ação
Direção: Kathryn Bigelow
Ano: 2008
Nota: 4 (razoável)

Quando soube que Avatar não tinha ganho tantos prêmios como era esperado fiquei curiosa, então resolvi ver o tal do Guerra ao Terror, foi quando eu entendi porque ele tinha ido direto para DVD aqui no Brasil...

Guerra ao Terror narra a história de algumas homens que trabalham desarmando bombas no Iraque. O filme não tem extamante uma trama, mas mostra o dia a dia desses homens, sob a tensão de desarmar bombas. O filme já começa mostrando uma morte, e a chegada do substituo da pessoa que morreu, que é um homem que se acha onipotente e é completamente inconsequente e egoísta.

O roteiro é original? Bom, o roteiro é um pouco diferente do que estamos acostumados a ver, mas se baseia no princípio conhecido, o filme documental. O tema guerra, de original não tem nada. Fiquei supresa ao ver que Avatar, filme que criou um universo completamente novo e surpreendente não ganhou.

Bom, as surpresas só continuaram, ao ver que ele também ganhou melhor direção e melhor filme! Sobre o prêmio mais técnico (edição) eu não ouso argumentar, pois não tenho conhecimento algum!

Eu tinha achado o máximo que uma mulher, na véspera do dias das mulheres tenha ganho o prêmio histórico de melhor direção, mas agora, após ver o filme eu me sinto completamente revoltada.

De longe, e sem dúvidas, Avatar foi um filme melhor em todos os sentidos. O filme é lindo, o roteiro original, o unvierso criado é supreendente e a mensagem é fantástica. Exatamente o contrário de Guerra ao Terror, que apesar de nos deixar curiosos no início, acaba se tornando entediante. O único própósito que vi no filme foi uma propaganda do exército americano, dizendo: Jovens, se alistem e venham ser heróis! O único sentindo de sua indicação ao Oscar, acredito que foi sua divulgação, pois sem a indicação ninguém ia ter assistido. Mas, agora todos estão curiosos e querendo conferir, qual foi o filme que desbancou o favorito Avatar.

Guerra ao Terror é uma vergonha, apoiando tudo que aconteceu no Iraque.  Acho que a adaptação do título foi bem clara, GUERRA AO TERROR, contra o suposto Terrosimo que os Americanos se acreditam vítimas. Claro, que o verdadeiro objetivo é usar város jovens alienados e atender aos interesses dos homens poderosos. Já Avatar, mostra o espírito de coletividade e a beleza de uma vida em cooperativa, com amor e em grupo. Agora se perguntem: Oh, meu Deus, porque será que Avatar não ganhou? Desde quando o espírito de coletividade vai ganhar do egoísmo?! Ha-ra, né?!

Parafraseando meu Pai, "o filme é simplismente ridículo, e  mais ridículo ainda foi ter ganho tantos prêmios".

E finalizo com uma reflexão: E Grand Torino nunca foi indicado....

15 comments :

Kamila said...

Eu gosto muito de "Guerra ao Terror". Mas, sou mais "Avatar". O que mais me agradou no filme da Bigelow foi a agilidade, a adrenalina e o fato de que me senti dentro da ação, como se eu fosse membro da equipe do Sgt. James.

Nossa este filme é ótimo msm eu assisti !
Bjô Mandy ótima semana ;*

Olá, tudo bem??? Bom, eu ainda não tive oportunidade de assistir Guerra ao Terror, então não posso dar minha opinião sobre o filme. Mas como assisti Avatar (2 vezes, rs), tbem acho que ele merecia o prêmio de melhor filme. Chorei litros no final, tão linda a mensagem do filme... Esse povo do Oscar vivem dessas polêmicas, querem com isso dizer que a unamidade é burra, querem ser os ditadores de regras e gostos. Fazer o que né?
Beijos, bom final de semana =*

ctrlc said...

Filme ridiculo perda de tempo da minha vida.

Wally said...

"Gran Torino" é de 2008, tendo que ter sido nomeado na edição anterior a esta do Oscar. Enfim...

Eu não sou entusiasta de "Guerra ao Terror" e não concordo com nenhum dos prêmios que venceu (talvez apenas montagem), mas chamá-lo de ridículo e dizer que ele é uma propaganda para o exército americano é um pouco demais, não? Porque na verdade um dos atributos do filme é deixar política de lado para falar sobre os estigmas de guerra na vida destes homens, que vão à guerra e nunca mais são as mesmas pessoas. Ou seja, não seria o exato oposto de propaganda? Acho que você precisa rever o filme, seriamente.

Dou nota 8.

Mandy said...

Wally,

A referência a Gran Torino não é em relação a ESSE ano, mas ao fato dele não ter ganho nada e ser uma obra prima! Essa é a comparação. Vc n entendeu.

Eu acho pura conversa mole dizer que Guerra ao Terror não tem política, na verdade não existe algo sem política. E ele, muito subrepticamente trabalha a propaganda americana. Esse ideal podre americano que muitos filmes repetem e espalham como forma de cultura. Eu gosto muito de Hollywood, assumo, mas também ser ver cirticamente esse lado.

Não sei se você já reparou, mas tds os filmes maericanos, em alguma cena mostram a bandeira do país... Viva a América, heim?!

Acho que dessa vez a estratégia foi mais curel... Sempre a ideia de bem e mal... de terrorismo, amedrontando a população e por isso, controlando-a, mais e mais!

Não acho que preciso rever, Wally. Você gostou e deu 8,0, eu não compreendo, porém aceito.

Porém, eu vi e ficou muito claro para mim: achei ridículo, uma perda de tempo e insisto que esse filme só ganhou o Oscar para ser visto, e muito subliminarmente disseminar a ideia de guerra!

O personagem principal deixa bem claro no final do filme, que pouco importa a familia... ou todo resto, o que vale é a adrenalina da guerra. E muitos jovens vão ver isso e vão se jogar na emoção e se alistar.

Nesse ponto, o filme é malignamente gênial!

CtrlC said...

Não esqueça da parte mais clichê, o personagem mal construido que desarma as bombas tambem é IMORTAL, como todo jovem, que por natureza é onipotente. O outro era tolo pois nao vivia no perigo.


Highlander!

Maniqueísmo; ridículo; Avatar é melhor em todos os sentidos; veículo de propaganda do militarismo americano; eu discordo com absolutamente tudo o que você diz. Seu texto sofre de uma carência completa de qualquer embasamento teórico, e suas afirmação acabam se tornando puro achismo; um texto feito só para você, basicamente. "Subliminarmente disseminar a ideia da guerra?" Que ideia da guerra? Além do mais, o filme NÃO é sobre guerra, mas sobre as mazelas sofridas por indivíduos comuns em uma situação que transgride os limites do corpo humano. Eles são "armários de dor" como diz o lindo título original.

Já caiu no lugar comum dizer que todo filme americano é propagador de militarismo; é argumento de boteco. Além do mais, a política é mais abrangente que apenas o resvalo no Governo, pois temos política de empresas, a política que rege uma determinada ação, ou mesmo a política social, que é onde a trama de Bigelow encontra amparo.

E daí que Avatar criou todo um universo? Tá, tudo bem, Cameron até merece meu respeito por isso. Mas não é motivo de comparação com Guerra ao Terror, pois os própositos de ambos são diferentes neste quesito.

Enfim, não gostei do seu texto e detestei suas opiniões, no entanto, eu as respeito, assim como respeito sua postura em relação aos comentários. Afinal de contas, o melhor de tudo isso é o debate, não?

Parabéns pelo blog, e tire toda essa baboseira de maquiagens e afins - rsrsrsrsrsrsrs...

Mandy said...

Eu quem disse que eu pretendo ter embasamento teórico? A idéia do blog é poder dar MINHA opinião sobre o filme. Não sou profissional, nem tento ser. Eu expresso meu sentimento.
A idéia de guerra está clara o filme todo... apesar de muito bem disfarçada.

Se você quer entender um pouco mais sobre o subliminar, leia Foucault e você vai entender bem o que quero dizer.

Eu não disse que todo filme americano é proporgador do militarismo. Eu disse que sempre mostram a bandeira e uma idéia do país livre. Quando na verdade o que eles fazem é dissemniar o medo e controlar a população. Não digo que o USA é melhor ou pior que outro lugares.

Acho que o filme mostra um homem que se acha um Deus, e vai para guerra. Não se dá por satisfeito e ainda retorna, acima de tudo.

Muita gente gostou pq diz não ter política, mas como disse, eu n acho q exista algo isento de política, exatamente como vc disse, existem vários tipos.

Seria ótimo se as pessoas vissem a dor, mas acho que a mensagem que restará no subconsciente (ou msm do consciente) dos jovens americanos é que ir para Guerra é massa. O personagem principal é quase uma capital América.

Se ela quisesse mostrar dor, ia ter mostrado isso mais claramente, ao invés de tentar mostrar a dor através de constantes vitórias do personagem principal. Quero ver se na guerra é assim mesmo, a galera fazendo várias loucuras e se dando bem...

Avatar construiu todo um universo, é um filme muito mais denso, tanto no sentido técnico como no sentimento e nos ideias passados. Eu não acho que Guerra ao Terror mereceu. Achei o filme monótono, não achei o tema muito original e não vi motivo para tantos prêmios. Avatar sim foi algo completamente novo, fora o fato de que foi excelente.

Obrigada pelos parabéns, mas eu gosto de maquiagem e está bem claro que o blog se propoe a abordar todos esses temas. ;]

Gosto do debate, mas não acho contrutívo dizer que a opinião do outro é ridículo e etc. Acho que existem formas mais educadas de discutir. Eu prefiro escrever o que eu acho e pronto, sem questionar oq o outro acha, pois indo além disso acho que fica um pocuo agressivo.

Acho que no dia que eu escrever o que achei de A Vila, a bvlogosfera todo vai vim aqui querer me bater... pq eu achei o amior engodo de todos os tempos hehehehe!!!!!

Mandy said...

Ok Alexandre,

Eu penso o mesmo sobre você, falta de senso crítico, mas isso é porque temos opiniões diferente. Eu não vou desqualificar ninguém, visando me qualificar. (sua frase não ficou clara)

Para mim Avatar teve um roteiro gênial e eu adorei, completamente novo, criativo, bastante imaginativo. Assim como Tolkien. Claro que um filme e o outro é livros e as dimensões são diferentes. O que vale é o que cada um acha que vale, não existe regras e os critérios de avaliação são subjetivos. A verdade não é a sua Alexandre, é somente sua opinião. Assim, como a minha é somente opinião. Entõ roteiro é o SEU critério.

Se vc citou algo que eu disse e chamou de ridículo, chamou assim, minha opinião. Isso é agressivo e desnecessário.

Como lhe disse, não pretendo ser técnica, cinema é um hobbie. Só citei Foucault p/ vc entender o que disse sobre o subliminar, ele pode explicar muito bem sobre esse artifício. Não sinto necessidade de estudar escolas e etc, quero dizer oq achei mesmo e pronto.

Acho essa uma discussão sem fim e esse tipo de coisa prolixa não me agrada, o tempo é curto p/ ficar nesse reme-reme. Cada um tem sua opinião, e não quero lhe convencer. Por isso digo, minhas postagens são minhas opiniões, se você quiser postar as suas, não há problema, mas tentar diminuir ou ridicularizar a minha opinião para ressaltar a sua não é algo que concordo e não permitirei que aconteça. Então, se quiser postar o que você acha, ótimo, mas sem necessidade de ofensas, ok?

Abraço!

Nossa! Mas aonde eu te ofendi? Primeiro, eu nunca lhe chamei de ridícula, ou sua opinião ou mesmo citação. Muito pelo contrário. Você parafraseia o seu pai no final, onde ele chama o filme de ridículo. Lógico que, ao parafrasear, você também diz a mesma coisa, e eu apenas não concordo que o filme seja ridículo. Apenas isso. Ofensa é uma forma pobre de debate, e não sustenta nada senão a própria estupidez da pessoa.

Eu entendo que cinema é um hobbie para você, no entanto, ao praticar este hobbie publicamente você está sujeita - e precisa estar preparada - a argumentações de outras pessoas sobre suas ideias. E dizer que você não pretende ser técnica ou algo do gênero não significa nada, e, muito menos, derruba os argumentos de outras pessoas - é simplesmente um sistema de defesa que você criou quando não enxerga outra saída em meio a discussões.

Você não quer discutir? Tudo bem. Mas ao menos não "termine comigo" com a ideia de que lhe ofendi, e, por favor, não escreva mais sobre cinema, se possível.

É apenas uma sugestão.

Mas se um dia ainda quiser trocar algumas ideias, então pode passar lá no meu blog também. Você será muito benvinda.

Um forte abraço!

Ah sim, me desculpe, não tenho mais conta no Blogger, por isso, caso você queria acessar meu blog e trocar mais algumas ideias (é saudável e faz bem à alma), aqui está o link: http://cinemorfose.wordpress.com/

Mandy said...
This comment has been removed by the author.
Mandy said...

Você se prendeu ao ridículo e n foi isso, tudo que você fala sobre sua opinião do filme, tem q ter algo contra a minha. Eu achei o filme ridículo mesmo, por isso parafraseei. É sua forma de argumentar que p/ colocar seu argumteno tenta diminuir o do outro.

Vc achou o filme bom e eu ruim, pronto.

Dps passo em seu blog, e n vou deixa de escrever sobre cinema.
N sou técnica e n é sistema de defesa, é algo q deixei claro ao fazer o blog. Vc veio aqui ler minha opinião coisa sabendo disso, então esse é um argumento que sequer tem validade. Se vc n gosotu, pq fica aqui questionando, eu acho perda de tempo. Se quisesse fazer algo técnico, mas n quero.

Cm disse, se quiser vim aki dar sua opinião ótimo "Olha discordo de vc e acho isso". Blz, mas essas argumentanções sem fim n me interessam, eu n acho q leve a lugar algum. Vc vai continuar achando uma coisa e eu outra, n vejo um lugar positivo a se chegar

Então é isso, byebye!

Discussão encerrada! Por mim, tudo bem.

Bem, pelo menos a gente concorda que a Vila é medíocre, assim como 500 Dias com Ela - o que já demonstra uma certa sintonia de ideias apesar dos pesares, não acha?

Você que estuda psicologia, gosta das obras do Lynch e do Haneke?

Um forte abraço!